0

Pioneiros do chocolate suíço no século XIX

Isso não é nenhuma surpresa, já que chocolate tem sido mais do que uma doce tentação na Suíça por mais de 200 anos. Os ingredientes selecionados são misturados para a produção do chocolate suíço. Por trás de seu exterior refinado, esses são os fatores que contribuíram para a história de sucesso na Suíça: espírito inovador, consciência sobre qualidade, trabalho árduo – e um desinibido sentido de paladar e prazer. No entanto, o chocolate não nasceu no coração da Europa. O grão de cacau, muito menos. Foram os astecas que deram origem ao cacau: eles já bebiam chocolate quente no século XIV. Dizem que o gosto era amargo, quase picante. De qualquer forma, essa era a opinião de Hernán Cortés. Ainda assim, ele cruzou o Atlântico com o cacau. Logo depois, o café foi refinado na corte espanhola. Mel, açúcar, baunilha e canela tornavam a bebida mais suave, mas as pessoas comuns nem conheciam o cacau pelo nome.

Depois o cacau chegou em outras cortes europeias. E tudo isso aconteceu graças ao amor! Quando Anna, a princesa da Espanha, casou-se com o rei francês, Luís XIII, o chocolate chegou na França. Motivo de muita alegria em Versalhes! Em seguida, o cacau chegou em todas as cortes reais da Europa. Toda e qualquer pessoa bebia chocolate. E isso fez com que os pioneiros do chocolate entrassem em cena. Certamente existia outras funções para essa nobre mercadoria! Talvez uma sobremesa? Ainda não existia chocolate em forma sólida. Eles experimentaram, assaram, moeram e misturaram: esses eram os pioneiros do paladar na Itália, Bélgica, Alemanha, Holanda – e particularmente na Suíça.

A era dos pioneiros

O século XIX foi a era dos pioneiros. Fábricas foram construídas, a máquina a vapor foi inventada, assim como a ferrovia, o telefone – e o chocolate macio que derrete na boca como o conhecemos hoje. Seu inventor? Rodolphe Lindt. A Suíça é realmente a terra do chocolate? Na verdade, os Suíços produzem chocolate para o mundo todo. E para eles mesmos: lá as pessoas comem mais chocolate do que em qualquer outro país.

Pequena, intransitável, pobre: assim era a Suíça no início do século XIX. Em outras palavras, o país não apresentava uma base muito boa para experimentadores de chocolate. Isso significava que era necessário ter ainda mais ânimo, riqueza de ideias e espírito empreendedor. Disso a Suíça tinha de sobra e assim a sua história de sucesso poderia começar. 

Pequena, intransitável, pobre: assim era a Suíça no início do século XIX. Em outras palavras, o país não apresentava uma base muito boa para experimentadores de chocolate. Isso significava que era necessário ter ainda mais ânimo, riqueza de ideias e espírito empreendedor. Disso a Suíça tinha de sobra e assim a sua história de sucesso poderia começar. 

Com o seu fondant de chocolate, Rodolphe Lindt estabeleceu a base em 1879 para o sucesso da Lindt & Sprüngli AG, que foi fundada vinte anos depois, em parceria com Rudolf Sprüngli. O chocolate suíço tornou-se mundialmente famoso. Graças à sua qualidade insuperável e devido ao crescente interesse em turismo, os ingleses, os alemães, os russos e americanos estavam visitando a Suíça em massa. De repente as montanhas se tornaram uma paisagem de luxo. E os lagos também. Sem contar a hospitalidade. E o que todos esses viajantes traziam de volta para casa? Fondant de chocolate, é claro! Chocolate suíço virou sinônimo de selo de qualidade e ainda é até hoje – especialmente quando se trata de chocolate LINDT.

Muita coisa mudou desde então. E ainda assim, o chocolat surfin de Rodolphe Lindt ainda é produzido hoje com base na receita de 1879 e embrulhado em sua embalagem original. Porque apesar de sermos impulsionados pelo espírito inovador dos pioneiros, também sabemos que conhecedores do mundo todo apreciam a qualidade tradicional.